Avaliação de Risco de Legionella

Aqualab Signature Avaliação de Risco de Legionella

As bactérias do género Legionella encontram-se em ambientes aquáticos naturais e também em sistemas artificiais, como redes de abastecimento/distribuição de água, redes prediais de água quente e água fria, ar condicionado e sistemas de arrefecimento (torres de refrigeração, condensadores evaporativos e humidificadores) existentes em edifícios, nomeadamente em hotéis, estâncias termais, centros comerciais e hospitais. Surgem ainda em fontes ornamentais e tanques recreativos, como por exemplo jacuzzis.

 
São conhecidas actualmente, mais de 50 espécies de Legionella, das quais a Legionella pneumophila é a mais frequente nos casos clínicos identificados, mas não é a única que pode infectar seres humanos. Existem aproximadamente 70 serogrupos distintos, muitos dos quais são considerados patogénicos.
 
A exposição a esta bactéria pode provocar uma infecção respiratória, actualmente conhecida por Doença dos Legionários, assim chamada porque a seguir à Convenção da Legião Americana em 1976, no hotel Bellevue Stratford, Filadélfia, 34 participantes morreram e 221 adoeceram com pneumonia.
 
A infecção transmite-se por inalação de gotículas de vapor de água contaminada, aerossóis, de dimensões tão pequenas que veículam a bactéria para os pulmões, possibilitando a sua deposição nos alvéolos pulmonares.
 
A ingestão da bactéria não provoca infecção, nem se verifica o contágio de pessoa a pessoa. A doença atinge em especial adultos, entre os 40 e 70 anos de idade, com maior incidência nos homens.
 
Os fumadores, pessoas com problemas respiratórios crónicos, doentes renais e de um modo geral imunodeprimidos, têm maior probabilidade de contrair esta doença.
 
Os sintomas incluem febre alta, arrepios, dores de cabeça e dores musculares. Em pouco tempo aparece tosse seca e, por vezes, dificuldade respiratória, podendo nalguns casos desenvolver-se diarreia e/ou vómitos. O doente pode ainda ficar confuso ou mesmo entrar em situações de delírio.
 
A doença tem ocorrido sob a forma de casos esporádicos ou de surtos epidémicos, em particular no verão e outono, com maior expressão em zonas turísticas.
 
Em Portugal a doença foi detectada pela primeira vez em 1979, pertence à lista de Doenças de Declaração Obrigatória (DDO). Desde 2000 até final de 2010 foram notificados 685 casos, predominantemente associados a alojamentos em unidades hoteleiras, embora mais recentemente tenham também ocorrido surtos em instalações fabris e hospitais.
 
As taxas de fatalidade (morte) têm sido estimadas em 5 - 30 % do total de casos.
 
Pelas suas características naturais, a Legionella é um microrganismo que não é controlado facilmente por meio dos tratamentos convencionais da água e, dessa forma, a potabilidade da água não é garantia da sua ausência na água, independentemente da sua fonte.
Para além dessas dificuldades, factores comuns nos surtos de Legionelose ocorridos nos USA têm sido:
  • Falta de familiariedade com a forma como a água é processada em sistemas de água nos edifícios complexos;
  • Falta de controlos microbiológicos efectivos;
  • Falta de esforços coordenados de prevenção;
A Legionella é um risco surgido a partir da actividade humana (já que no seu habitat natural ela não representa um risco prevísivel) e, portanto, quem projecta, gere, opera ou é proprietário de uma edificação é, em última análise, responsável pelos danos que os seus sistemas de água e os seus componentes (chuveiros, torres de srrefecimento, fontes decorativas, spas, jacuzzis, piscinas interiores, humidificadores, sistemas de irrigação, entre outos) venham a causar à vida e à saúde de outros. Uma vez que este problema é fundamentalmente o resultado do processamento da água potável nos edifícios, a solução para a prevenção da Legionella passa pela implementação de um plano activo de gestão de riscos funcionando de forma contínua, acompanhamento e minimização desses riscos.
 
O AQUALAB realiza a Avaliação de Risco da Legionella auxiliando os seus CLIENTES na difícil tarefa de identificar, gerir e minimizar os riscos desta bactéria para protecção dos seus colaboradores, clientes, hóspedes, visitantes e a comunidade em seu redor.
 
Realizamos uma avaliação de todos os componentes e actividades de operação dos sistemas de água dos edifícios (hospital, centro comercial, hotel, condomínio empresarial, indústria, etc.) para identificar perigos, classificar riscos e, por fim, sugerir um plano de melhorias e de operação com o fim de gerir o risco de Legionella em cada sistema.
 
Na nossa avaliação de risco, utiliza-se o método HACCP (método de controle de riscos largamente utilizado nas indústrias alimentares) que é considerado o mais adequado para este tipo de avaliação e que se baseia nas mais importantes e reconhecidas normas técnicas aceites mundialmente para a gestão do risco de Legionalla, como a Organização Mundial de Saúde (OMS/ONU), OSHA nos EUA (Occupational Safety and Health Administration), HSE no Reino Unido (Health and Safety Executive).